Preaload Image

Lajeado estreia projeto inédito de educação socioemocional para estudantes

Mais de 7 mil alunos serão atendidos pelo programa SEJA

Evidências científicas em nível internacional já comprovaram que educar jovens sobre sentimentos e emoções aumenta as chances de se tornarem adultos mais funcionais, estáveis e bem-sucedidos e também os afasta de comportamentos de risco e violentos.

Com estes objetivos a cidade de Lajeado estreou nesta segunda-feira (9) o programa SEJA de educação socioemocional destinado de forma totalmente gratuita a mais de 7 mil estudantes de 28 escolas, sendo 18 municipais, 7 estaduais e 3 particulares. A iniciativa é da prefeitura municipal e conta com a consultoria e treinamento do Instituto Cidade Segura.

O Programa Seja visa ao desenvolvimento de competências socioemocionais, de atenção plena, justiça restaurativa/diálogo colaborativo e empreendedorismo. O programa consiste em um currículo do 1º ao 9º ano do ensino fundamental com 20 aulas por ano. ¨O programa é elaborado com inspiração em programas internacionais já testados, mas desenhado para incorporar as inteligências e preocupações locais. Em Lajeado, por exemplo, a cidade solicitou que o programa incluísse o tema do Empreendedorismo, que é um valor importante na região”, aponta a coordenadora do projeto Emoções para a Paz, Tâmara Biolo Soares.

Professores foram formados desde o ano passado e o projeto precisou ser paralisado em função da pandemia. Mas agora será iniciado com o suporte da equipe de psicólogos e desenvolvedores do projeto, que conta com manuais ilustrados exclusivos, videoaulas explicativas e suporte permanente da equipe. “A pandemia acentuou a necessidade de trabalhar as emoções com as crianças e jovens e abordar temas difíceis deste período, como o isolamento, a ansiedade, o medo e até mesmo o luto pela perda de familiares e amigos, e o SEJA oferece ferramentas e vivências para os professores trabalharem esses assuntos em sala de aula. Sabemos que o emocional pode bloquear o aprendizado cognitivo, portanto mais do que nunca é fundamental fomentar o desenvolvimento das habilidades socioemocionais neste retorno após um quarentena tão longa em razão da pandemia”, frisa Tâmara.

A educação socioemocional passou a integrar a Base Nacional Comum Curricular desde o ano passado, tornando o tema parte das diretrizes curriculares das escolas no Brasil. O objetivo é melhorar a capacidade dos estudantes em integrar cognição, afeto e comportamento para que possam lidar com as tarefas e desafios diários de forma efetiva, saudável e harmônica.

Evidências embasam sucesso do programa

Uma revisão sistemática de programas socioemocionais escolares identificou a existência de 213 avaliações de impacto, sendo que 99 foram estudos randomizados (47%), abrangendo um total de 270.034 estudantes do ensino infantil ao ensino superior, que participaram em média de 24 sessões de aprendizagem socioemocional. A análise reportou que os participantes dos programas demonstraram melhoria de 24% nas suas habilidades sociais e emocionais, 15% nas atitudes e comportamentos e de 11% no seu desempenho escolar, o que equivale à média de todas as demais intervenções voltadas especificamente para a melhoria do rendimento escolar já avaliadas nos Estados Unidos. Os programas aplicados por professores obtiveram resultado muito positivo e foram os únicos que produziram melhoria no rendimento escolar.

O Emoções para a Paz é uma iniciativa do Instituto Cidade Segura com foco no desenvolvimento e aplicação de programas e metodologias de prevenção à violência baseados em evidências científicas. Hoje a ciência mostra que a educação socioemocional é um instrumento fundamental na prevenção da violência e no desenvolvimento cognitivo, emocional e social das crianças e adolescentes.

O Programa SEJA nasceu da observação de que era necessário uma metodologia brasileira de educação socioemocional para a prevenção da violência que fosse inspirado nas melhores experiências internacionais. Serviram de referência o Programa “Emociones para La Vida” da cidade de Bogotá e o currículo da Mindfull Schools, dos Estados Unidos. O programa segue as diretrizes estabelecidas pela CASEL (Collaborative for Academic Social and Emotional Learning), organização que certifica e dissemina as evidências e melhores práticas em educação socioemocional no mundo.

O SEJA ainda contou na sua elaboração com a experiência acumulada ao longo de 10 anos pelos profissionais que desenvolveram e aplicam o Programa Sente, vinculado ao Instituto da Família de Porto Alegre.